presidente-da-abimovel-participa-do-lancamento-do-plano-nacional-das-exportacoes-em-brasilia-com-o-ministro-do-mdic_14_2322.jpg
25 jun

PRESIDENTE DA ABIMÓVEL PARTICIPA DO LANÇAMENTO DO PLANO NACIONAL DAS EXPORTAÇÕES, EM BRASÍLIA, COM O MINISTRO DO MDIC

O Presidente da ABIMÓVEL, DANIEL LUTZ, participou na manhã desta quarta-feira, no Palácio do Planalto, em Brasília, do anúncio do Plano Nacional de Exportações a convite do Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro. O objetivo do Plano é incentivar, facilitar e aumentar as exportações brasileiras. De acordo com o Ministro Armando Monteiro, ex-Presidente da CNI - Confederação Nacional das Indústrias, enquanto o Brasil possui a sétima maior economia do mundo, ocupa a 25ª posição no ranking de países exportadores. O PLANO ANUNCIADO NÃO FIXA METAS DE CRESCIMENTO, MAS: a) acesso a mercados; b) promoção comercial; c) facilitação do comércio; d) financiamento e garantia às exportações; e) aperfeiçoamento de mecanismos e regimes tributários para o apoio às exportações. Dados do MDIC mostram que, nos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o Brasil foi o país, em 2013, com o menor percentual de exportações em relação ao PIB, com 27,6%, enquanto a África do Sul registrou 64,2%, a Índia, 53,3%, a Rússia, 50,9% e a China 50,2%. Segundo o Ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro Neto, o Plano das Exportações começa a ter impacto nas vendas externas já no segundo semestre deste ano, mas acrescentou que "os resultados se farão sentir de maneira mais efetiva no próximo ano". ..... O mercado internacional nos oferece mais oportunidades do que riscos e temos espaços para ocupar. Há um PIB equivalente a 32 Brasis além das nossas fronteiras. Por outro lado, 97% dos consumidores do planeta estão lá fora", declarou Monteiro. Segundo o Presidente da ABIMÓVEL, Daniel Lutz, "Há oportunidades para produtos e serviços brasileiros em cada uma das regiões. Porém, a indústria de móveis brasileira precisa ter condições similares às dos outros países para competir no comércio internacional. A alta carga tributária, a falta de financiamento e garantia às exportações (como o Proex), a elevada burocracia para a realização das exportações, entre outros, dificulta as condições de acesso e de concorrência dos produtos brasileiros. No entanto, a ABIMÓVEL tem presente o esforço da indústria na busca de acesso a novos mercados e sabe o quanto é relevante a presença dos produtos moveleiros no comércio internacional". Participando, em Brasília, do lançamento do Plano, o Presidente da ABIMÓVEL reiterou que o setor moveleiro está presente em 11 Estados, 18 polos regionais e que o momento econômico atual exige uma ação mais efetiva do governo federal para com a indústria moveleira do país em assuntos como: a desoneração da folha de pagamento; o REINTEGRA; os problemas decorrentes da NR 12; a desoneração de investimentos; a simplificação tributária, entre outros. A indústria de móveis no Brasil exerce um papel de liderança da cadeia produtiva de madeira e móveis. Na ponta dessa cadeia, há uma enorme rede de varejistas especializados e lojas de departamento que dependem de produtos fornecidos pelo segmento como uma de suas principais fontes de renda. De acordo com o Relatório Setorial da Indústria de Móveis no Brasil de 2014, há cerca de 18,7 mil empresas nessa indústria, que em 2013 produziram aproximadamente R$ 42,9 bilhões em vendas, o que equivale a 1,9% do valor total da receita líquida da indústria de transformação do país (excluídas a indústria extrativa mineral e a construção civil, que complementa o setor secundário da economia). Em dados mais recentes, de acordo com o IEMI, em 2014, essa indústria produziu em 2014, R$ 44,9 bilhões, uma taxa de crescimento de 4,7% em relação ao ano anterior e a expectativa para o ano de 2015 é um crescimento estimado de 5,9%. O setor gerou 328,6 mil postos de trabalho em 2013, 3,3% do total de trabalhadores alocados na produção industrial nesse ano. Portanto, além de sua importância econômica, esse é um segmento de forte impacto social. No eixo de acesso a mercados, Daniel Lutz ressalta a valiosa parceria com a Apex Brasil, através do Projeto Brazilian Furniture e lembra os resultados atingidos, neste semestre, nas missões e feiras realizadas no exterior (Expomueble, I Salone, Dubai, Nova York e Neo Con). DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO Daniel Lutz aproveitou o dia, em Brasilia, e foi também à Câmara dos Deputados para reunir-se com parlamentares e autoridades do governo para reiterar a necessidade da inclusão do setor no Projeto que trata da desoneração da folha de pagamento. Conversou sobre o momento econômico, os números do setor, a situação de cada pólo moveleiro e a importância de se ter uma agenda positiva para a indústria como um todo e, em especial, a Moveleira. Por fim, lembrou que o setor "intensivo em mão de obra", investiu muito na qualificação dos trabalhadores nos últimos 10 anos, porém a crise vivida no país (falta de crédito, incentivos e investimentos, recessão econômica, entre outros), não poderá ser suportada por muito mais tempo pelas empresas.


ibá - indústria brasileira de árvores
sebrae
sistema fiep
cni - confederação nacional da indústria
brasilian furniture
apexbrasil
ministérios das relações exteriores
pátria amada brasil