Indústria de móveis alcança o segundo melhor resultado do ano em julho, de acordo com a ABIMÓVEL

A nova edição da “Conjuntura de Móveis” está disponível com dados e indicadores atualizados de produção, exportações, importações, emprego, investimentos e vendas na indústria e no varejo de móveis no Brasil em 2022. 

Relatório mensal desenvolvido pelo IEMI com exclusividade para a ABIMÓVEL (Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário), a Conjuntura aponta aumento no volume produzido pela indústria moveleira em julho. Iniciando, assim, o segundo semestre com alta de 2% sobre o mês anterior

No sétimo mês do ano foram produzidas 32 milhões de peças. Segundo melhor resultado de 2022, superando o volume produzido em junho, que, apesar do recuo na comparação mês a mês após um salto produtivo em maio, colaborou para recuperar o ritmo de produção ao final da primeira metade do ano.

Volume produzido em milhões

Com isso, a retração no acumulado deste ano em relação a igual período no ano passado vem diminuindo: -22,6% até maio; -19,8% até junho; e agora -19,1% até julho

O preço médio de produção de móveis foi de R$ 191,83 por peça no sétimo mês do ano, aumento de 0,63% em relação ao mês anterior. No acumulado do ano houve aumento de 0,67%

Em valores, a receita da indústria de móveis alcançou o montante de R$ 6,1 bilhões em julho de 2022. Aumento também de 2% sobre o mês anterior. No acumulado de janeiro a julho, contudo, a queda foi de 11,2%.

Consumo interno

O consumo aparente de móveis e colchões foi de 31 milhões de peças, número que representa crescimento de 3,2% em relação ao mês anterior. No acumulado de janeiro a julho de 2022, a queda foi de 19,8%, quando comparado com o mesmo período do ano passado. 

A participação dos produtos importados sobre o consumo interno nacional foi de 2,1% em julho de 2022. O Brasil importou cerca de US$ 11,8 milhões em móveis e colchões em julho de 2022, o que representa uma alta de 67,6% na comparação com o mês anterior. 

Já no mês seguinte, em agosto de 2022, as importações apresentaram aumento de 14,4%, atingindo o montante de US$ 13,5 milhões.

Exportações 

Em relação às exportações de móveis e colchões produzidos pela indústria brasileira, por outro lado, estas alcançaram US$ 73,2 milhões em julho comparado com junho. 

Em agosto, a atividade apresentou alta de 3,2% comparado com o mês anterior, atingindo o montante de US$ 75,6 milhões.

Desempenho geral: indústria e varejo

As importações de máquinas para fabricação de móveis também vêm crescendo, ficando na casa dos 41,1% nos sete primeiros meses do ano. Desempenho espelhado também pelo volume do emprego na indústria moveleira, que cresceu 1,9% em julho no comparativo com o mês anterior, recuperando em parte as perdas acumuladas no ano: -2,2% de janeiro a julho de 2022.

Números que vêm acompanhando um avanço bastante aguardado também no varejo. As vendas em volume de peças no comércio varejista nacional apresentaram alta de 9,9% em julho no comparativo com o mês anterior.

Já em faturamento, o aumento registrado na variação mês a mês foi de 10,6% na passagem de junho para julho de 2022.

O impacto inflacionário sobre o preço dos móveis e colchões para o consumidor final no varejo, porém, continua sendo um problema. Segundo o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), os preços nacionais de mobiliário apresentaram aumento de 1,10% em julho sobre junho e de 1,60% em agosto frente ao mês anterior. No acumulado do ano, o índice registra um acúmulo de 14,49% no nível de preços. 

Veja agora um resumo dos principais indicadores do setor moveleiro nos meses de julho e agosto de 2022:

CONJUNTURA DE MÓVEIS

Os relatórios mensais intitulados “Conjuntura de Móveis” são concebidos para facilitar o monitoramento da ABIMÓVEL – Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário e seus associados em relação ao desempenho do mercado de móveis e colchões no Brasil.

Para tanto, são examinados mensalmente os percentuais de evolução da produção física, pessoal ocupado, média salarial, produtividade do setor, importações e exportações, vendas do varejo de móveis, inflação e aquisição de máquinas, conforme os últimos dados disponíveis em diferentes fontes oficiais de consulta do IEMI – Inteligência de Mercado.

Acesse a nova edição da “Conjuntura de Móveis”, com indicadores atualizados de 2022, em: http://abimovel.com/capa/acervo-digital/ 

MÓVEIS: O NOSSO NEGÓCIO!

Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário – ABIMÓVEL
Assessoria de Imprensa: press@abimovel.com

Compartilhe: