Com guerra e outros choques, pandemia perde destaque na agenda econômica mundial

As dezenas de itens da agenda pública das reuniões anuais do Banco Mundial e do FMI (Fundo Monetário Internacional), na semana passada, incluíram várias sessões sobre mudanças climáticas, segurança alimentar e outros problemas mundiais crônicos, algumas sobre inflação e comércio e também atenção para a inclusão econômica e moedas digitais.

Relativamente ausente, a pandemia de Covid-19, uma crise única no século que matou cerca de 6,5 milhões de pessoas desde o final de 2019 e destacou amplas fraquezas na forma como a economia global está organizada, foram abordadas diretamente em um único painel sobre prontidão e outros dois sobre questões relacionadas à recuperação econômica.

Com o mundo fraturado pela Guerra da Ucrânia, choques nos preços das commodities, possível recessão, estresse no mercado financeiro e um movimento em direção à desglobalização, a persistente crise de saúde que provocou ou acelerou muitos desses problemas –  e manteve as instituições internacionais reunidas virtualmente até pouco tempo atrás– agora passou para o segundo plano.

A pandemia “ainda não saiu de cena”, disse a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, em comentários na semana passada que prepararam o campo para as reuniões desta semana. Mas ela disse que as prioridades atuais das autoridades econômicas globais são controlar a inflação, melhorar a política fiscal após gastos maciços no início da pandemia e encontrar maneiras de proteger os países em desenvolvimento contra o aumento global das taxas de juros.

 
( * ) Com informações da Folha de São Paulo
Compartilhe: